FONTENovo Jornal
@DR

Porta-voz e militante da direcção de transição da FNLA, Lucinda Roberto diz que Lucas Ngonda passará a frequentar a sede do partido apenas nas vestes de militante e deputado.

Enquanto aguarda pela resposta do documento remetido ao Tribunal Constitucional (TC) sobre a destituição judicial de Lucas Mbengui Ngonda,  a direcção de transição da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) fez saber quarta-feira,19, que está em curso a criação de um grupo de indivíduos que irá receber brevemente as chaves da sede do partido que se encontram actualmente  em posse do antigo Presidente.

A direcção de  transição eleita já está em funções. Uma das primeiras decisões daquele órgão político foi pedir ao ex-presidente do partido Lucas Ngonda que deixe de ter em sua posse todas as chaves da sede do partido,  assim como o acesso a todo o património.

A militante e porta-voz da recém- eleita  da direcção de transição, Lucinda Roberto Augusto,  contou ao novo jornal que os militantes estão a dar tempo ao antigo Presidente para recolher, durante esses dias todos os seus pertences,  nomeadamente documentos e computadores, que ainda estão dentro da sede do partido.

“Estamos a pedir ao  ao ex-presidente do partido que o retire aquilo que ele deve  achar que deve tirar, porque quando a direcção de transição tomar conta das chaves tudo o que estiver dentro da sede será dado como património da FNLA e irá permanecer lá”, garantiu a porta voz l ressaltando a direcção de transição quer que tudo aconteça na legalidade e de forma democrática escusando-se da ideia de se recorrer a uma eventual violência para se poder ter acesso às chaves da sede do partido”.

Segundo  Lucinda Roberto, a direcção liderada por Manuel Baptista fula- Fula, Pedro Manuel, Makumbi Júnior e Nimi-a-Simbi  está a trabalhar juntamente com o Tribunal Constitucional no sentido de agir em claro respeito pela lei quanto a recepção de tudo quanto diz respeito ao património da FNLA.

“Assim que se tomar posse do património, a direcção de transição vai gerir o partido até a realização do próximo congresso , amplo, claro e inclusivo”, declarou a militante do partido.

A responsável fez saber que a recepção das chaves da sede do partido não depende  da da resposta vinda da TC, pois o Tribunal Constitucional vai tomar uma posição justa quanto a este assunto, começando por corrigir o erro que cometeu em 2009, quando legalizou Lucas Ngonda como presidente da FNLA, à luz do acórdão 109/110 do Tribunal Constitucional”.

Facebook Comments