FONTEMercado
O primeiro-ministro de Portugal advogou ainda o contínuo melhoramento da conexão [email protected]

A problemática das divisas em Angola dominou o encontro entre o primeiro-ministro português e os empresários lusos no País, tendo o governante garantido abertura de uma linha de crédito para minimizar o impacto da crise cambial.

As relações entre Angola e Portugal tornaram-se mais auspiciosas nos últimos tempos, declarou o primeiro-ministro português, António Costa, no encontro em Luanda com a comunidade portuguesa no País, durante a visita de Estado.

Tal facto resulta do processo de reformas em Angola que, na perspectiva do chefe do governo português, aponta para uma nova era no País, alicerçada com as recentes aprovações das Leis da Concorrência, Investimento Privado e outros diplomas legais.

A aprovação dos respectivos diplomas legais “sinaliza a preocupação de um novo ambiente de negócios para as empresas portuguesas aqui em Angola”, defendeu António Costa, dirigindo-se a um grupo de empresários lusos presentes no encontro.

O primeiro-ministro de Portugal advogou ainda o contínuo melhoramento da conexão luso-angolana, sobretudo no domínio empresarial, porque “o investimento e a actividade das empresas portuguesas em Angola têm transformado uma relação que tinha história para uma de futuro. Tem de ser esse o foco principal nas relações”.

“A visita do Presidente de Angola a Portugal é um momento excelente para podermos trabalhar, aprofundar e melhorar esse ambiente de negócio”, disse António Costa no meeting com os empresários lusos experimentados no mercado angolano, aos quais prometeu ajudar a desbloquear constrangimentos que até envolvam o poder político.

O principal governante português também informou os compatriotas de que a visita a Luanda visou a assinatura de um acordo de dupla tributação que “vai dar um sinal muito claro sobre a transparência e segurança a quem investe em Portugal ou Angola”.

Também foi rubricado um acordo no domínio aéreo que, segundo António Costa, aumentará o número de voos entre Luanda e Lisboa, através da TAAG ou da TAP. “Temos boa vontade de que o trânsito entre os dois países se mantenha”, afirmou aos presentes.

O acordo entre os dois Estados estende-se ainda aos domínios da saúde, educação, sistema tributário, defesa e segurança, garantiu António Costa, confiante na melhoria das relações com a antiga colónia, principalmente com a visita do Presidente João Lourenço, a Portugal, marcada para Novembro próximo.   

Facebook Comments