FONTEJornal de Angola
O programa deve ser retomado com a construção de 200 fogos habitacionais em 130 municí[email protected]

O governo vai avançar, em breve, com a construção de mais sete centralidades nas províncias do Bengo, Malanje, Cuanza-Sul, Cunene, Zaire e Lunda-Sul que não beneficiaram inicialmente do programa, anunciou ontem, em Luanda, o director nacional da Habitação, Adriano Silva.

O programa deve ser retomado com a construção de 200 fogos habitacionais em 130 municípios, dos 163, e vai ser acompanhado com a edificação de aldeamentos auto-sustentáveis em alguns municípios, segundo Adriano Silva.

O director nacional da Habitação falava numa conferência de imprensa conjunta entre o Escritório da UN-Habitat em Angola, o Centro de Investigação Científica e Arquitectura da Universidade Lusíada, a Development Workshop (DW) e o Centro Cultural Brasil Angola, realizado por ocasião do projecto “Outubro Urbano”, que reflecte sobre temas em torno do desenvolvimento urbano.

Adriano Silva justificou a decisão de construção de mais centralidades com o facto de, nos últimos anos, não obstante o êxodo rural que se deu em Luanda e outras cidades do país, haver uma permanente busca pela satisfação das necessidades em termos de habitação social.

O responsável anunciou que o Executivo vai retomar igualmente o programa de construção de 200 fogos habitacionais em 130 municípios já identificados. O Executivo vai ainda promover a construção de infra-estruturas integradas e edificar aldeamentos auto-sustentáveis através de um projecto-piloto a ser iniciado, em breve, no município do Belize (Cabinda). “Para tornar tudo isso mais efectivo e compacto, o Executivo lançou mão a programas de requalificação urbana e mobilidade urbana”, indicou o responsável.

O objectivo, segundo Adriano Silva, é tornar a qualidade de vida dos cidadãos mais estável e tornar as cidades mais funcionais e sustentáveis. “Pretendemos reflectir sobre os novos paradigmas daquilo que é o desenvolvimento urbano sustentável. Daí, estarmos a realizar esta plataforma”, disse.

Para o responsável, todas estas acções levadas a cabo pelo Executivo conferem uma avaliação positiva quanto ao desenvolvimento urbano, na medida em que promovem a melhoria dos níveis de habitabilidade, mobilidade urbana e garantem cidades sustentáveis, resilientes e funcionais.

O “Outubro urbano” enquadra-se nas comemorações do Dia Mundial do Habitat, que na primeira segunda-feira de Outubro abre com o tema “Gestão Municipal de Resíduos Sólidos” e termina com a celebração do Dia Mundial das Cidades, a 31 de Outubro.

Segundo a chefe do Escritório da UN-Habitat em Angola, Ana Bragança, o “Outubro urbano” vem na sequência do fórum político de alto nível realizado em Nova Iorque, que assentou na revisão dos objectivos sustentáveis que têm a ver com a construção de cidades resilientes e sustentáveis.

Paisagista de formação, Ana Bragança defende que as cidades, com o realce para as de Angola, devem ser construídas com base na equação da resiliência, para fazer face a eventuais situações de calamidade e alterações climáticas.

Facebook Comments